Primer Congreso Virtual Iberoamericano de Neurología  Barra de Navegación

CONFERENCIA - 2 DEL AREA CEFALEAS


Fisiopatologia das cefaléias

Dr. Maurice Vincent, Ph.D.

Serviço de Neurologia, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Av. das Américas, 1155/504 Brasil
22631-000 Rio de Janeiro
Phone: (+5521)4399245
Fax: (+5521)4943648
E-mail:
vincent@unisys.com.br

 

Apesar dos avanços em epidemiologia, classificação, e novos medicamentos, perguntas elementares em relação ao mecanismo fisiopatológico das cefaléias ainda permanecem. Este texto revê alguns aspectos relacionados à fisiopatologia de cefaléias primárias.

Antigamente, as cefaléias eram consideradas "vasculares" e "não vasculares"(1). Esta divisão é inadequada. Durante 50 anos prevaleceu a idéia de que a aura surge devido à vasoconstricção; e a dor devido à vasodilatação(2). A teoria vasoespástica de Wolff, passou a ser questionada no início da década passada(3). Em 1981, Olesen e cols. encontraram redução do fluxo sangüíneo cerebral regional (rCBF) durante a aura, iniciando no polo occipital e avançando progressivamente para outras regiões. Este fenômeno foi denominado spreading oligoemia(4), ou spreading hypoperfusion (hipoperfusão alastrante - SH)(5).

O fato da SH espalhar-se pelo encéfalo sem respeitar a anatomia dos territórios vasculares a uma velocidade de 2.2 ± 0.3 mm/min sugere a existência de um mecanismo neuronal subjacente ao invés de um fenômeno primariamente vascular. Admite-se que a SH represente a repercussão hemodinâmica da "depressão alastrante (DA) de Leão". Lashley concluiu, estudando a maneira pela qual as desordens visuais se deslocavam pelo campo visual durante a aura, que algo se propagava pelo cortex visual primário a uma velocidade de aproximadamente 3 mm/min(6). Pouco depois, em 1944, estudando eletrofisiologia no cortex de coelhos em Harvard, EUA, o Professor Aristides Leão, do Instituto de Biofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, observou um fenômeno de depressão da atividade elétrica que, quando experimentalmente induzido, propagava-se pelo cortex em todas as direções(7). Este fenômeno foi denominado "depressão alastrante" ("spreading depression (SD) of Leão"). Como a velocidade de propagação da SD era semelhante à velocidade de propagação do fenômeno cortical que Lashly sugeria ser o responsável pela aura visual, Leão sugeriria posteriormente que a SD poderia estar relacionada à fisiopatologia da enxaqueca(8).

Woods et al. verificaram por PET alterações do rCBF em uma enxaquecosa(9). A partir da 6ª num total de 12 medições sucessivas, a paciente teve sintomas enxaquecosos. Ocorreu redução do rCBF inicialmente nos lobos occipitais, com alastramento sucessivo para áreas mais anteriores. Welch et al. detectaram, por magnetoencefalografia, alterações em enxaquecosos que não estavam presentes em outras cefaléias(10). Sua presença constitui evidência indireta da presença da SD. O mesmo grupo, usando estimulação magnética transcraniana, observou redução do limiar de excitabilidade no cortex occipital na enxaqueca com aura, o que favoreceria o surgimento da DA(11). Embora estes estudos sugiram a participação da DA na fisiopatologia da enxaqueca, um dos argumentos mais fortes em contrário tem sido a falta de uma demonstração inquestionável de sua existência em humanos, in vivo. Recentemente, porém, evidências sugerindo a presença do fenômeno foram obtidas no córtex de num paciente em coma após traumatismo crânio-encefálico(12).

Friberg et al, usando doppler transcraniano juntamente com SPECT, registraram dilatação da artéria cerebral média durante ataques enxaquecosos. A administração de sumatriptan reduziu a dor ao mesmo tempo que retornou o calibre ao diâmetro normal(13). Isto não prova, entretanto, que haja uma relação de causa e efeito entre vasodilatação e a crise enxaquecosa. Nem todos os pacientes com enxaqueca têm vasodilatação, que pode ser comparativamente discreta(14). As alterações vasculares são epifenômenos que se desenvolvem paralelamente à crise de exaqueca sem constituir sua causa.

Muitos neurotransmissores, co-transmissores e neuromoduladores, alguns com ação vasomotora, têm sido implicados na fisiopatologia das cefaléias. Três tipos de fibras nervosas existem na parede das artérias intracranianas(15). Estas fibras apresentam pequenas dilatações sucessivas, tal como contas de um colar, dentro das quais existem as substâncias neurotransmissoras vasoativas que são liberadas quando da passagem do estímulo nervoso e interagem com substâncias vasoreguladoras presentes no sangue e/ou no vaso, liberadas pelo endotélio.

As fibras simpáticas, originadas no gânglio cervical superior, contém principalmente, além da Noradrenalina (NA), o Neuropeptídeo Y (NPY), um neurotransmissor com atividade vasoconstrictora. As fibras parassimpáticas, originadas no gânglio esfenopalatino, contém acetilcolina (Ach), vasodilatador e endotélio-dependente, e o Peptídeo Intestinal Vasoativo (VIP), também vasodilatador, além de liberar óxido nítrico (NO, fator de relaxamento derivado do endotélio)(16). As fibras trigeminais sensitivas, a partir do gânglio de Gasser, contém Substância P (SP), o Peptídeo Relacionado ao Gene da Calcitonina (CGRP), a dinorfina B, o "Pituitary Adenylate Cyclase Activating Peptide" (PACAP), além de outras taquiquininas, como a Neurokinina A (NKA).

A endotelina (ET-1, a ET-2 e a ET-3) tem sido considerada importante na fisiopatologia da enxaqueca(17) e da Cefaléia em Salvas(18). O NO é também um neurotransmissor, pois a NOS (enzima que o sintetiza) está presente em fibras nervosas. Como a inflamação neurogênica constitui um modelo experimental ainda não comprovado em humanos, e os principais neuropeptídeos a ela relacionados não causam dor per se, Olesen e colaboradores cogitaram a possibilidade do NO constituir uma importante molécula algógena na enxaqueca(19). É provável que o NO neuronal tenha menor importância na crise enxaquecosa, pois a administração de um inibidor não-seletivo da NOS, como o L-NAME (atua tanto na NOS neuronal quanto endotelial), bloqueia o extravasamento de plasma no modelo da inflamação neurogênica, ao passo que um inibidor seletivo da NOS neuronal (7-nitroindazole) é comparativamente ineficaz(20). Curiosamenete, a DA pruduz uma "up-regulation" da NOS endotelial em ratos(21), podendo justificar, em parte, uma alteração da susceptibilidade à dor em pacientes enxaquecosos.

Moskowitz e colaboradores desenvolveram um modelo experimental em ratos no qual o estímulo trigeminal induz, antidromicamente, vasodilatação e extravasamento de plasma. Este fenômeno, secundário à liberação dos transmissores mencionados acima, têm sido correlacionado à enxaqueca(22,23). A primeira evidência da liberação de CGRP durante ataques de enxaqueca foi obtida por Goadsby, Edvinsson e Ekman(24). Na enxaqueca, porém, não há liberação de VIP (aumentado na cefaléia em salvas) e de SP(25).

Nem sempre os resultados experimentais no modelo da inflamação neurogênica correspondam obrigatoriamente às respostas obtidas na clínica. Os antagonistas do receptor NK-1 (receptor para SP) RPR100893 e Lanepitant mostraram-se ineficazes contra a enxaqueca, embora experimentalmente bloqueassem a inflamação neurogênica(26,27). O mesmo ocorreu com o Bosentan (RO470232), um antagonista da Endotelina(28).

Receptores para sumatriptan pré-juncionais (5-HT1D) parecem importantes na crise enxaquecosa. É possível que seu estímulo reduza a liberação de mediadores como o CGRP. Utilizando-se [3H]sumatriptan, sítios de ligação para esta substância no sistema nervoso central foram mapeados no homem(29). É curioso haver muitos receptores no córtex visual. Pode ser que os triptans interfiram com a DA(30).

A enxaqueca sofre influência genética(31). Uma doença cerebrovascular familiar denominada "CADASIL" (Cerebral Autosomal Dominat Arteriopathy with ubcortical Infarcts and Leucoencephalopathy) foi identificada recentemente, estando sua ocorrência ligada ao cromossoma 19p12(32). Curiosamente, pacientes com CADASIL sofrem mais enxaqueca com aura do que a população geral(33). Esta associação levou à possibilidade do cromossoma 19 ser também o responsável pela transmissão de uma das formas genéticas da enxaqueca, a "enxaqueca hemiplégica familiar" (FHM), associação confirmada em 1994(34). Quatro mutações diferentes na subunidade a 1 de um canal de cálcio voltagem-dependente tipo P/Q, específico do cérebro, mapeadas no gene CACNL1A4 no cromossoma 19p13.1, foram identificadas em 4 famílias com FHM(32). Logo verificou-se novos loci no cromossoma 1q21-23(35) e 1q31(36).

A ignorância fisiopatológica presente na enxaqueca ainda é maior em relação a outras cefaléias. A cefaléia do tipo tensão (CTT), confundida com enxaqueca(37,38), já foi denominada cefaléia de contração muscular, mas não há evidência conclusiva da relação entre esta condição e os músculos(39). A toxina botulínica parece não influenciar beneficamente pacientes com CTT(40). Embora estudos conflitantes possam sugerir o contrário, o metabolismo serotoninérgico parece normal em pacientes com CTT crônica(41). Shoenen propõe que a redução do período de supressão exteroceptiva (ES2) detectado na CTT se deve a redução da excitabilidade de centros no tronco cerebral como a substância cinzenta periaquedutal e o núcleo da rafe(42).

A cefaléia em salvas (CS) é a dor de cabeça primária mais intensa(43). Há participação de vasos com ativação do sistema trigeminovascular(44) e alterações autonômicas confirmadas, por exemplo, por estudos de resposta pupilar e sudorese(45). Os ritmos diário e anual e as alterações hormonais (melatonina, testosterona, cortisol, TRH, entre outros) levantam a suspeita de participação hipotalâmica. Ativação do hipotálamo ipsilateral foi verificada por PET em 17 pacientes com CS, sugerindo especificidade fisiopatológica desta região(46). Embora a participação genética possa ser suspeitada pela ocorrência em gêmeos(47) e parentes(48), o modo de transmissão não é conhecido.

Há anos sabe-se que cefaléias podem surgir no pescoço(49,50), mas a sua fisiopatologia não é conhecida. Não existem necessariamente anormalidades aos exames de imagem(51). Como bloqueios em diversas regiões do pescoço podem reduzir a dor por períodos relativamente longos, é possível que mecanismos de hipersensibilização nociceptiva desenvolvam papel importante na fisiopatologia desta cefaléia.

A hemicrania continua e a hemicrania paroxística crônica são cefaléias que cedem ao uso da indometacina(52,53). Fisiopatologicamente, seus mecanismos permanecem obscuros. É intrigante o fato de outros inibidores da ciclooxigensase, em doses equipotentes, não apresentarem o mesmo efeito. A compreensão do mecanismo de ação da indometacina pode ajudar a esclarecer a fisiopatologia destas cefaléias.

"Idiopathic stabbing headache" (síndrome "jabs & jolts") consiste em dores de localização e freqüência variadas, na maioria das vezes durando um segundo(54). Estas dores são comuns e surgem freqüentemente junto com outras cefaléias. Sua fisiopatologia é desconhecida. A duração relativamente curta dos episódios sugerem mediadores de ação rápida, provavelmente de origem neuronal.

Casos de SUNCT tem sido descritos por vários autores(55). O seu mecanismo é obscuro. Suas características pemitem suspeitar que o processo patológico envolve aspectos comuns à neuralgia do trigêmio (presença de zonas de gatilho, duração curta) e à cefaléia em salvas (predominância masculina, localização da dor e presença de alterações autonômicas óculo-faciais).

A enxaqueca não é a cefaléia mais frequente, tampouco a mais intensa, mas é a mais estudada. Mesmo assim, sua fisiopatologia não é completamente conhecida. Impedem o avanço do conhecimento a inexistência de modelos experimentais adequados, a inexistência de marcadores diagnósticos objetivos, a raridade de algumas cefaléias e a dificuldade em realizar testes durante crises espontâneas.

Referências

  1. Ad Hoc Committee on classification of headache. Classification of headache. JAMA 1962;179:717-718
  2. Graham JG, Wolff HG. Mechanism of migraine headache and action of ergotamine tartrate. Arch Neurol Psychiatry 1938;39:737-763
  3. Olesen J, Friberg L, Olsen TS. Timing and topography of cerebral blood flow, aura, and headache during migraine attacks. Ann Neurol 1990;28:791-798
  4. Lauritzen M, Skyhøj Olsen T, Lassen NA, Paulson OB. The changes of regional cerebral blood flow during the course of classical migraine attacks. Ann Neurol 1983;13:633-641
  5. Olesen J, Larsen B, Lauritzen M. Focal Hyperemia followed by spreading oligemia and impaired activation of rCBF in classic migraine. Ann Neurol 1981;9:344-352
  6. Lashley KS. Patterns of cerebral integration indicated by the scotomas of migraine. Arch Neurol Psychiatry 1941;46:259-264
  7. Leão AAP. Spreading depression of activity in cerebral cortex. J Neurophysiol 1944;7:359-390
  8. Leão AAP, Morison RS. Propagation of spreading cortical depression. J Neurophysiol 1945;8:33-45
  9. Woods RP, Iacoboni M, Mazziotta JC. Bilateral spreading cerebral hypoperfusion during spontaneous migraine headache. New Engl J Med 1994;331:1689-1692
  10. Barkley GL, Tepley N, Nagel-Leiby S, Moran JE, Simkins RT, Welch KMA. Magnetoencephalographic studies of migraine. Headache 1990;30:428-434
  11. Aurora SK, Welch KMA. Brain excitability in migraine: evidence from transcranial magnetic stimulation studies. Curr Opin Neurol 1998;11:205-209
  12. Mayevsky A, Doron A, Manor T, Meilin S, Zarchin N, Ouaknine GE. Cortical spreading depression recorded from the human brain using a multiparametric monitoring system. Brain Res 1996;740:268-274
  13. Friberg L, Olesen J, Iversen HK, Sperling B. Migraine Pain associated with middle cerebral artery dilatation: reversal by sumatriptan. Lancet 1991;338:13-17
  14. Thomsen LL, Iversen HK, Olesen J. Cerebral blood flow velocities are reduced during attacks of unilateral migraine without aura. Cephalalgia 1995;15:109-116
  15. Uddman R, Edvinsson L. Neuropeptides in the cerebral circulation. Cerebrovasc Brain Metab Rev 1989;1:230-252
  16. Lundberg JM. Pharmacology of cotransmission in the autonomic nervous system: integrative aspects on amines, neuropeptides, adenosine triphosphate, aminoacids and nitric oxide. Pharmacol Rev 1996;48:113-178
  17. Färkkilä M, Palo J, Saijonmaa O, Fyhrquist F. Raised plasma endothelin during acute migraine attack. Cephalalgia 1992;12:383-384
  18. White LR, Vincent MB, Arcanjo HMG, Araújo PLM, Stovner LJ, Aasly J. Increased plasma level of endothelin-1 in cluster headache. In: Olesen, J, Edvinsson, L eds Frontiers in headache research. Volume 7. Headache pathogenesis. Monoamines, neuropeptides, purines, and nitric oxide. Philadelphia: Lippincott-Raven 1997;211-214
  19. Olesen J, Thomsen LL, Lassen LH, Olesen IJ. The nitric oxide hypothesis of migraine and other vascular headaches. Cephalalgia 1995;15:94-100
  20. Limmroth V, Cutrer FM, Moskowitz MA. Neurotransmitters and neuropeptides in headache. Curr Opin Neurol 1996;9:206-210
  21. Chopp M, Chen Q, Zhang ZG, Bodzin G, Welch KMA. Nitric oxide synthase is induced in cerebral endothelial cells by spreading depression. Cephalalgia 1983;13[suppl 13]:116 (Abstract)
  22. Buzzi MG, Moskowitz MA. The trigemino-vascular system and migraine. Pathol Biol 1992;40:313-317
  23. Connor HE, Beattie DT. Migraine. More advanced experimental models for drug development. In: Olesen, J, Moskowitz, MA eds Experimental headache models. Philadelphia: Lippincott-Raven 1995;19-26
  24. Goadsby PJ, Edvinsson L, Ekman R. Vasoactive peptide release in the circulation of humans during migraine headaches. Ann Neurol 1990;28:183-187
  25. Edvinsson L, Goadsby P. Neuropeptides in migraine and cluster headache. Cephalalgia 1994;14:320-327
  26. Diener HC,for the RPR 100893/201 Migraine Study Group.. Substance P antagonist RPR 100893/201 is not effective in human migraine attacks. Sixth International Headache Research Seminar, Copenhagen, Denmark 1995;(Abstract)
  27. Goldstein DJ, Wang O, Saper JR, Stoltz R, Silberstein SD, Mathew NT. Innefectiveness of neurokinin-1 antagonist in acute migraine: a crossover study. Cephalalgia 1997;17:785-790
  28. May A, Gijsman HJ, Wallöfer A, Jones R, Diener HC, Ferrari MD. Endothelin antagonist bosentan blocks neurogenic inflamation, but is not effective in aborting migraine attacks. Pain 1996;67:375-378
  29. Pascual J, del Arco C, Romón T, del Olmo E, Castro E, Pazos A. Autoradiographic distribution of [3H]Sumatriptan-binding sites in post-mortem human brain. Cephalalgia 1996;16:317-322
  30. Maranhão-Filho PA, Martins-Ferreira H, Vincent MB, Ribeiro LJC, Novis SAP. Sumatriptan blocks spreading depression in isolated chick retina. Cephalalgia 1997;17:822-825
  31. Merikangas KR. Genetics of migraine and other headahe. Curr Opin Neurol 1996;9:202-205
  32. Jung HH, Bassetti C, Tournier-Lasserve E, Vahedi K, Arnaboldi M, Arifi BV, Burgunder JM. Cerebral autosomal dominant arteriopathy with subcortical infarcts and leukoencephalopathy: a clinicopathological and genetic study in a Swiss family. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1995;59:138-143
  33. Verin M, Rolland Y, Landgraf F, Chabriat H, Bompais B, Michel A, Vahedi K, Martinet JP, Tournier-Lasserve E, Lemaitre MH, Edan G. New phenotype of the cerebral autosomal dominant arteriopathy mapped to chromosome 19: migraine as the prominent clinical feature. J Neurol Neurosurg Psychiatry 1995;59:579-585
  34. Terwindt GM, Haan J, Ophoff RA, Frants RR, Ferrari MD. The quest for migraine genes. Curr Opin Neurol 1997;10:221-225
  35. Ducros A, Joutel A, Vahedi K, Cecillon M, Ferreira A, Bernard E, Verier A, Echenne B, Lopez de Munain A, Bousser MG, Tournier Lasserve E. Mapping of a second locus for familial hemiplegic migraine to 1q21-23 and evidence of further genetic heterogeneity. Ann Neurol 1997;42:885-890
  36. Gardner K, Barmada MM, Ptacek LK, Hoffman EP. A new locus for hemiplegic migraine maps to chromossome 1q31. Neurology 1997;49:1231-1238
  37. Rasmussen BK. Migraine and tension-type headache are different disorders. Cephalalgia 1996;16:217-220
  38. Leston JA. Migraine and tension-type headache are not separate disorders. Cephalalgia 1996;16:220-222
  39. Jensen R, Rasmussen B. Muscular disordes in tension-type headache. Cephalalgia 1996;16:97-103
  40. Zwart J-A, Bovim G, Sand T, Sjaastad O. Tension headache: botolinum toxin paralysis of temporal muscles. Headache 1994;34:458-462
  41. Bendtsen L, Jensen R, Hindberg I, Gammeltoft S, Olesen J. Serotonin metabolism in chronic tension-type headache. Cephalalgia 1997;17:843-848
  42. Schoenen J. Clinical neurophysiology studies in headache: a review of data and pathophysiological hints. Funct Neurol 1992;7:191-204
  43. Sjaastad O eds Cluster Headache syndrome, London: Sauders 1992
  44. Goadsby PJ, Edvinsson L. Human in vivo evidence for trigeminovascular activation in cluster headache. Neuropeptide changes and effects of acute attacks therapies. Brain 1994;117:427-434
  45. Salvesesn R, Sand T, Sjaastad O. Cluster headache: combined assessment with pupillometry and evaporimetry. Cephalalgia 1988;8:211-218
  46. May A, Bahra A, Büchel C, Frackowiak RSJ, Goadsby P. Cerebral activation in cluster headache in and outside the bout: a PET study. Funct Neurol 1998;13:170 (Abstract)
  47. Sjaastad O, Shen J-m, Stovner LJ, Elsås T. Cluster headache in identical twins. Headache 1993;33:214-217
  48. D'Amico D, Leone M, Moschiano F, Bussone G. Familial cluster headache: report of three families. Headache 1996;36:41-43
  49. Sjaastad O, Saunte C, Hovdal H, Breivik H, Grønbæk E. "Cervicogenic headache". An hypothesis. Cephalalgia 1983;3:249-256
  50. Vincent MB, Luna A. Cervicogenic headache - Josey’s cases revisited. Arq Neuropsiquiatr 1997;55:841-848
  51. Fredriksen TA, Fougner R, Tangerud Å, Sjaastad O. Cervicogenic headache. Radiological investigations concerning head/neck. Cephalalgia 1988;9:139-146
  52. Sjaastad O, Dale I. Evidence for a new (?) treatable headache entity. Headache 1974;14:105-108
  53. Sjaastad O. Chronic paroxysmal hemicrania. In: Vinken, PJ, Bruyn, GW, Klawans, HL, Clifford Rose, F eds Handbook of clinical neurology. Volume 48: Headache. Amsterdam: Elsevier 1986;257-266
  54. Pareja JA, Ruiz J, de Isla C, Al-Sabbah H, Espejo J. Idiopathic stabbing headache (jabs and jolts syndrome). Cephalalgia 1996;16:93-96
  55. Pareja JA, Sjaastad O. SUNCT syndrome. A clinical review. Headache 1997;37:195-202

 


Para enviar comentarios al FORO DE CEFALEAS sobre esta conferencia pulse en este enlace PULSE AQUÍ (cite en su mensaje el título y los autores de la conferencia).


PAGINA PRINCIPAL  |  CURSOS DE FORMACION |  POSTERS ELECTRONICOS
 
CONFERENCIAS INVITADAS  |  COMUNICACIONES  |  CHARLA INTERACTIVA